NASA encontra rios de água salgada em Marte

Toda tarde, uma sonda chamada Mars Reconnaissance Orbiter observa a superfície de Marte e elabora um relatório detalhado com tudo o que aconteceu. Nos últimos, as imagens captadas pela sonda têm mostrado algo que chamou bastante atenção.

Está vendo essas linhas mais escuras sobre a superfície? Pois é. São rastros de rios de água salgada que escorreram pelas colinas de Marte. Não viu? Olhe bem:

Linhas em Marte

Ninguém sabia de onde vinham essas marcas, ou por que elas de repente desapareciam no fim do verão marciano (sim, o planeta vermelho tem estações, assim como a Terra). Isso porque as imagens da sonda não mostram exatamente a água, já que elas são registradas num horário bastante quente e seco do planeta, e essas evidências só aparecem de vez em quando. Mas hoje, uma parte desse mistério chegou ao fim.

Nesta segunda-feira, o pessoal da Georgia Tech publicou online um artigo que dá alguns detalhes dessas linhas sazonais que aparecem nas montanhas marcianas. Elas ficam cada vez mais largas durante o verão e somem no inverno. Conclusão: são rastros de água. Um dos pontos principais do estudo é a maneira como os sais do solo de Marte têm interagido com a água – uma das teorias para explicar de onde vem essa água diz que ela possivelmente se forma a partir da umidade do ar em contato com os sais do solo – o que forma uma água salgada (mais do que isso: salobra, com altíssima concentração de sais).

Linhas em Marte

Outra teoria aponta para a possibilidade de haver um aquífero subterrâneo em Marte, ou reservas de gelo que ocasionalmente derretem quando o planeta está mais aquecido durante o verão.

Quando os cientistas encontram água líquida fora da Terra, normalmente é uma festa. É que a água é essencial para a existência de formas de vida como conhecemos. Outro dia, mesmo, acharam evidências de um oceano inteiro numa lua de Saturno. Acontece que Marte está aqui ao lado – e é muito mais fácil estudar um planeta próximo. Não faz muito tempo que descobriram que nosso vizinho vermelho emite de metano, um gás associado a seres vivos. Uma hipótese possível é que o gás – esse mesmo que você solta todo dia – tenha vindo de micróbios metanogênicos marcianos. Organismos vivos. A água líquida, como sabemos, é o ingrediente fundamental para a vida. E agora, com uma forte evidência de água líquida em solo marciano, a possibilidade de que o nosso vizinho vermelho contenha pelo menos micróbos deixa definitivamente o terreno da especulação pura. Se acharemos vida em Marte? A questão agora talvez não seja mais “se”, e sim “quando”.

Apesar de haver planos de fazermos uma viagem tripulada a Marte nos próximos anos, a ideia de colonizar o planeta vermelho sempre pareceu mais piração do que possibilidade científica real. Agora, a vida em Marte talvez não seja mais coisa da cabeça de escritor de ficção científica.

Via Superinteressante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *